Literatura e(m) movimento: travessias do tempo e do espaço

A 36ª Semana Literária Sesc & Feira do Livro traz como tema “Literatura e(m) movimento” com o intuito de promover encontros, palestras e oficinas que coloquem no centro da reflexão a literatura e todo o seu potencial de trânsito.

A ideia de trânsito, por sua vez, se desdobra em várias compreensões que se associam na composição do evento. Inicialmente, o entendimento dessa noção de “mobilidade” pode se referir à literatura como um tipo de produção estética capaz de estabelecer inúmeras interfaces com outras linguagens artísticas, como a música, a dança, a performance, as artes plásticas, a memória, contaminando essas práticas com suas características através do tempo e do espaço de produção e se deixando envolver pelos modos de construção dessas outras linguagens.

Assim, entra em discussão uma importante reflexão sobre tradução nas suas mais variadas modalidades como um dos meios essenciais de se promover a circulação da literatura entre línguas e culturas diferentes, abreviando distâncias temporais e espaciais.

Associado a isso, surge um dos temas mais relevantes do mundo contemporâneo: as maneiras através das quais a literatura – como expressão artística e também como atividade política – se relaciona com os processos de migração em curso nesse momento e se mostra como um importante mecanismo de promoção de multiculturalismo. Interessa-nos pensar quais diálogos se constroem nas cidades que recebem novas comunidades e, por extensão, novas formas de vida, a partir da chegada dos refugiados. Como é a literatura, a dança, a música destes que deixaram suas casas? De que forma a movimentação de seus corpos e linguagens por espaços distintos altera suas manifestações artísticas?

Interessa também avaliar o impacto da literatura dos brasileiros que estão escrevendo fora do Brasil. Não se trata do mesmo tipo de trânsito empreendido pelos imigrantes, no entanto, é possível pensar também nas implicações dessa desterritorialização na escrita desses que optaram por deixar o país.

Como sugerido pelo título do evento, as travessias do tempo se remetem aos movimentos da memória, individual e coletiva, que se desenham continuamente. Essa memória compreende o patrimônio material e imaterial das cidades e se desdobra nas produções literárias e artísticas como um todo. Afinal, a arte sempre foi um lugar de elaboração do movimento do tempo e da vida.

Outro aspecto relevante no que concerne à literatura em movimento diz respeito à formação de leitores, aos multiletramentos e à interculturalidade. Pois, para que toda essa potência de ação se efetive, a reflexão sobre o incentivo à leitura se coloca como elemento sempre presente. Um dos grandes impactos da literatura, afinal, não deixa de ser a formação crítica dos indivíduos.

Assim, pensar a literatura em toda sua plasticidade e capacidade de desdobramento é o principal objetivo do evento deste ano.