Música sem Fronteiras

Evento

Com a intenção de celebrar toda esta riqueza cultural, nasceu em 2014 o Festival Sesc Música Sem Fronteiras. O projeto surgiu coma pretensão de tornar-se uma mostra de música internacional ao passar das edições, pois somente neste formato conseguiria representar significamente a realidade multicultural em que vivemos. Porém, o projeto carrega o nome “sem fronteiras” não apenas por procurar apresentar grupos/músicos advindos dos países vizinhos pertencentes a tríplice fronteira – Paraguai e Argentina – mas também por trazer grupos brasileiros com trabalhos autorais interessantes e fora do circuito comercial, como veremos nesta edição.

O festival está composto por um rico formato de ações simultâneas: shows noturnos abertos ao público geral, concertos didáticos para estudantes de escolas públicas, oficinas de instrumento, canto e arranjo, exposições, almoços musicais, dentre outras. Completando o quadro, a cada ano uma personalidade musical é homenageada em um show especial composto por artistas locais. Em 2014 Dorival Caymmi foi homenageado e em 2015, Inezita Barroso. Já em 2016 a homenagem não será para uma personalidade específica, mas para o centenário do samba. Isso se dará através da exposição Cem Anos de Samba do artista local Wesley Leli, e dos shows realizados durante os almoços musicais. Todas as ações são gratuitas, facilitando o acesso da comunidade local à boa música.

 

Programação

Participação gratuita! Não é necessário retirar convite antecipadamente.

23/11, quarta-feira | 20 horas

 

FELIPE COELHO TRIO

Florianópolis – SC

 

Notável destaque da cena instrumental brasileira e premiado “Melhor Instrumentista Catarinense” pelo Premio da Musica SC (2015), Felipe Coelho realiza sua décima turnê autoral em 2016 lançando sua quinta obra autoral Hora Certa em formação de trio. O artista já atuou em Nova Yorque, Shanghai, Buenos Aires além de Rio e São Paulo, e foi amplamente premiado recebendo o Premio Funarte de Música Popular (2011). Ainda jovem participou e lecionou em quase 30 festivais de música no Brasil e nos últimos dois anos foi convidado como solista e compositor por 6 diferentes orquestras incluindo a KSU String Orchestra, dos Estados Unidos, com a qual fez show em Atlanta em 2015. A obra Hora Certa conquistou espaço rapidamente na cena brasileira, sendo considerada uma explosão em concepção e técnica, e um forte destaque representativo da região sul. Nela, a música brasileira entra em profundo diálogo com a world music. Influencias desde Avishai Cohen e John McLaughin, vem de encontro com baiões, choros, chacareiras e melodias mineiras em um show impactante e culturalmente enriquecedor, onde o público interage com falas ilustrativas das técnicas e estilos abordados. O trio é formado por Tie Pereira no baixo acústico e Richard Montano na bateria, músicos com vasta experiência no eixo SP/Europa.

 

24/11, quinta-feira | 20 horas

DUO BAILADO

 

São Paulo – SP

 

Bailado é um show de música instrumental brasileira realizado pelo duo de contrabaixo e piano, onde o gingado e o movimento das danças urbanas brasileiras do início do século passado é a linha mestra guiando as composições e arranjos. Trata-se de um olhar para o passado e o estilo dos “pianeiros” como Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga, com uso de ritmos como maxixe, tango brasileiro, samba, choro e valsas com pitadas de jazz e música clássica, em composições autorais e releituras de temas da música brasileira. O duo é composto pelo pianista Daniel Grajew e pelo contrabaixista Marcos Paiva.

 

Daniel Grajew é pianista de formação erudita (Universidade de São Paulo) e popular (ULM e Conservatório de Tatuí). Lançou em 2013 seu primeiro CD Manga. Recebeu Menção Honrosa no VI Concurso Nacional de Piano Maria Teresa Madeira (2009), 22º Concurso Nascente USP pela composição “Requeijão”, 2o colocado no I Concurso Jovens Solistas – CMU / USP (2009) e no XI Concurso Villa Lobos (2009). Atua como pianista, acordeonista e arranjador de diversos gêneros como tango, choro, jazz, música de câmara, orquestras e cantores. Trabalhou com artistas como Carlos Malta, Blubell, Vânia Bastos, Marcelo Monteiro, Escualo Ensemble, Luiz Brasil, Orquestra de Camara da USP, entre outros.

 

Marcos Paiva é contrabaixista e compositor, gravou quatro discos solo. No ano de 2015, lançou seu quarto CD solo, Choroso, com o qual recebeu inúmeras críticas positivas da imprensa nacional e de jornalistas especializados. Atua ao lado de Vânia Bastos e Maria Alcina no show tributo a Pixinguinha, além de trabalhar como educador na Prefeitura da Cidade de São Paulo. Trabalhou ao lado de Zizi Possi, Bibi Ferreira, Teresa Salgueiro (portuguesa do Madredeus), Tânia Maria e Fabiana Cozza.

 

 

25/11, sexta-feira | 20 horas

 

IZABEL PADOVANI & RONALDO SAGGIORATO

Campinas – SP

 

Aquelas Coisas Todas é o novo CD que a cantora Izabel Padovani e o baixista Ronaldo Saggiorato lançam em comemoração aos 15 anos de parceria do Duo. O projeto foi premiado pelo Edital FICC da Secretaria de Cultura de Campinas. O primeiro CD, lançado em Viena, em 2005, foi indicado ao Prêmio da Crítica Schallplattenkritik, na Alemanha. Dez anos depois, a sintonia alcançada pela longa parceria está registrada neste CD, que traz no repertório gêneros como frevo, samba, baião, maxixe e chamamé. Canções consagradas e pouco conhecidas dividem espaço em um harmonioso passeio musical, que passa por Toninho Horta, Tom Jobim, Guinga, Anastácia e Dominguinhos, segue caminho por compositores da nova geração, como Chico Saraiva, Alegre Corrêa e Márcio Tubino, e visita as compositoras Joésia Ramos e Luhli. O CD com arranjos assinados por Saggiorato, traz o amadurecimento de uma formação ainda hoje inusitada – baixo e voz –, que possibilita uma ampla performance de cada instrumento: aí temos uma música sem fronteiras, executada com intimidade e liberdade entre os instrumentistas, valorizando a riqueza da música brasileira.

 

 

26/11, sábado | 20 horas

 

ORQUESTRA SANFÔNICA DE PATO BRANCO

 

Pato Branco – PR

Nos últimos dez anos, a Orquestra Sanfônica vem apresentando uma sonoridade original, interpretando de forma única os clássicos da música brasileira e do conesul, além de um crescente repertório autoral. As performances do grupo apresentam arranjos de belas melodias, que evidenciam o acordeon e as diversas formas em que ele se apresenta. Desde os primeiros concertos, a Sanfônica vem acumulando um grande número de seguidores, tanto de apaixonados pelo acordeon e música instrumental, quanto do grande público. Em 2013 o grupo gravou seu primeiro álbum Releituras. Em 2016, lança seu segundo álbum Outro Sul.

 

 

Oficinas

 

ARRANJO E CONCEPÇÃO ARTÍSTICA

 

24/11, quinta-feira | 14 às 17 horas

25/11, sexta-feira | 17 às 20 horas

 

O contrabaixista e arranjador Marcos Paiva abordará algumas técnicas de arranjo e orquestração com foco nos seguintes itens:

 

– Escolha estética – “O que a música pede”;

– Orquestração e gênero musical;

– Escolha dos músicos;

– Harmonia – substituições de acordes; baixo pedal; uso horizontal ou vertical da harmonia;

– Contraponto – duas vozes como melodias simples ou de naipes;

– Técnicas de distribuição de vozes: cerrado, drop 2, drop 3 e drop 2/4.

 

Marcos Paiva é contrabaixista, arranjador e compositor. Atualmente é considerado pelos críticos musicais, como umas das maiores revelações do país. Este ano de 2016, Paiva lançou seu 5º e 6º CDs: Bailado – Marcos Paiva e Daniel Grajew eConcerto para Pixinguinha – Vânia Bastos e Marcos Paiva. Além da carreira solo, onde lançou os discos Choroso (2015), Meu Samba no Prato – Tributo a Edison Machado (2012), São Mateus (2007) e Regra de Três/Bob Waytt, Lupa Santiago e Marcos Paiva (2007), Paiva já atuou ao lado de Zizi Possi, Bibi Ferreira, Lucinha Lins e Danilo Caymmi, e de artistas internacionais, como a cantora portuguesa Teresa Salgueira, a pianista Tânia Maria, a cantora mexicana Magos Herrera e o saxofonista americano Ilhan Ershain. Marcos Paiva participou de vários festivais brasileiros e de inúmeros shows na rede Sesc SP. Foi professor do Conservatório de Tatuí por dois anos e é professor no Programa Vocacional da Prefeitura de São Paulo.

 

 

PIANO POPULAR

 

24/11, quinta-feira | 14 às 17 horas

25/11, sexta-feira | 17 às 20 horas

 

Serão abordados conceitos do piano popular, especialmente o piano brasileiro, desde o estilo dos pianeiros até os pianistas contemporâneos, oferecendo um panorama geral do trabalho do pianista popular, seja criando seus próprios arranjos, improvisando ou acompanhando grupos de variadas formações. Alguns temas abordados serão:

 

– Distribuição de acordes;

– Encaminhamento de vozes;

– Arranjo;

– Solista x acompanhador;

– Improvisação;

– Composição;

– Metodologia de estudo do piano popular;

– Rítmica brasileira aplicada ao piano.

 

Daniel Grajew é considerado um talento expressivo tanto para a música popular quanto para a erudita. Paulistano, é formado em piano pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente finaliza o mestrado na mesma instituição com o tema “A Rítmica Brasileira no piano de Egberto Gismonti”. Transita por diversos gêneros, desde o repertório erudito tradicional até o choro, jazz, tango e música dos balcãs. Já tocou na França, Portugal e Argentina e em projetos como Resgate do Cinema Silencioso (Cinemateca), Piano +1 (Sesc Santos), Cantoras do Brasil (Canal Brasil), II Encontro de Piano Popular (Casa do Núcleo) e Turnê Tudo Azul com Carlos Malta (Petrobrás). Foi premiado no I Concurso Jovens Solistas da USP (2009), 2o colocado no XI Concurso Villa Lobos (2009) e vencedor do Edital do Proac para gravação de disco (2011). Apresentou-se com diversos artistas, orquestras e grupos de câmara como Escualo Ensemble, Orquestra Bachianas, Orquestra de Câmara da USP, Carlos Malta, Kathryn Green, Tiganá Santana, Luiz Brasil, Blubell, Leonardo Jeszensky, Alexandre Silvério, Carlos Navas, entre outros. Lançou em 2013 seu primeiro disco solo “Manga” e em março de 2016 lançara o disco “Bailado” em parceria com o baixista Marcos Paiva.

 

 

BATERIA

 

23 e 24/11, quarta e quinta-feira | 9 às 12 horas

25 e 26/11, sexta-feira e sábado | 14 às 17 horas

 

Richard Montano apresenta um curso prático e teórico voltado ao conhecimento musical e rítmico para bateria e outros instrumentos percussivos. Na oficina de bateria, abordaremos o estudo dos principais rudimentos para bateria e aplicações de forma musical e melódica, aliados ao estudo da técnica, de ritmos diversos (samba, baião, jazz, rock, entre outros) e da improvisação.

1º dia – Rudimentos e subdivisões (técnica);

2º dia – Aplicação prática dos rudimentos na bateria;

3º dia – Ritmos;

4º dia – O pensamento melódico através dos rudimentos (improvisação).

 

Richard Montaño é baterista catarinense de Florianópolis, com larga atuação nos mais diversos estilos, atuou em shows e gravações ao lado de artistas nacionais e internacionais como: Carlos Navas, Rosa Maria Collin, Patrícia Marx, Carlos Malta, Nuno Mindelis, J.J. Jackson (EUA), Deacon Jones (EUA), Marcos Otaviano, Felipe Coelho Trio, Luiz Zago Trio, Guinha Ramires, entre outros. Participou de vários Festivais de Jazz e Blues, dentre eles o 22 nd Edition of the Festival International de Jazz de Montréal (Canadá) e shows pelo Brasil e Europa. Na edição de Setembro/2013 da Revista Modern Drummer foi publicada matéria sobre sua trajetória musical. Em Florianópolis participou da décima edição do espetáculo Acústico Brognoli (Sons do Mundo) ao lado de artistas como Hermeto Pascoal, Renato Borghetti, Alegre Correa, Dudu Fileti entre outros.

 

 

VIOLÃO

 

23 e 24/11, quarta e quinta-feira | 9 às 12 horas

25 e 26/11, sexta-feira e sábado | 14 às 17 horas

 

A oficina de violão de Felipe Coelho aborda o violão de forma prática em paralelo à teoria musical. O professor primeiramente conhece o perfil dos alunos e faz uma seleção de temas da música Brasileira de preferência dos alunos, os quais serão analisados e discutidos durante os quatro dias. É feita análise harmônica assim como sugere-se diferentes levadas e técnicas de execução, e por fim aborda-se o assunto da improvisação sobre cada tema.

Felipe Coelho é formado bacharel e mestre em Jazz & Arranjo nos Estados Unidos onde foi premiado bolsas de estudo integrais dos 17 aos 23 anos. Tocou com inúmeras bandas abordando salsa, flamenco, choro, rock instrumental, pop, e jazz, e foi guitarrista de navios de cruzeiro internacionais. Iniciou sua produção autoral no Brasil em 2007 e desde então gravou cinco obras próprias, com as quais já realizou dez turnês, participou de mais de trinta festivais, ganhou inúmeros prêmios incluindo o Prêmio Funarte de Música Popular 2011, e se apresentou em grandes capitais como Nova Iorque, Chiago, Shanghai (China), Buenos Aires, Rio e São Paulo. Nos três ultimos anos foi convidado como solista e compositor por 6 diferentes orquestras incluindo a KSU String Orquestra com a qual fez show em Atlanta e 2015. Site: www.felipefc.com.

 

 

CONTRABAIXO

 

23 a 26/11, quarta a sexta-feira e sábado | 14 às 17 horas

A oficina parte de um nivelamento inicial dos alunos inscritos para trabalhar conhecimentos básicos de harmonia aplicada ao instrumento (escalas, arpejos, “re-conhecimento” e familiaridade com as notas na extensão do braço do instrumento). Depois serão abordados aspectos/exercícios técnicos aplicados ao instrumento (técnicas de mão direita, exercícios cromáticos diversos, salto de cordas, coordenação) e princípios de groove/ritmos, além de aplicação – bem como a contextualização – de ritmos aplicados ao baixo (musica brasileira, jazz, dentre outros). Por último serão abordados aspectos sobre a função do instrumento/instrumentista: como o baixista deve se colocar profissionalmente no mercado, como se comportar tocando com cantores ou quando é música instrumental, desenvolvimento de uma linguagem própria, aspectos históricos sobre o baixo, dentro outros.

Tie Fernandes Pereira nasceu em Joinville e iniciou seus estudos em baixo elétrico com o professor Carlos Ribeiro Junior em Florianópolis em 2001. Em 2002 começa a atuar em grupos instrumentais de Florianópolis como o quarteto Arreio sem Freio, Trio Bodega dentre outros. Em 2008 é aceito no Codarts – Conservatorium, Rotterdam, Holanda onde aprofunda seus conhecimentos no jazz/world music e em contrabaixo acústico. Durante sua estadia na Europa atua em importantes grupos como Tuur Moens Syndicate (afro/funk), State of Monc (eletro/jazz), Charanga 214 (salsa), Out of The Blue (latin jazz), Hipnotik Orchestra (funk/hip hop) dentre outros. Toca em importantes festivais tanto na Holanda quanto demais países europeus e Ásia. De volta ao Brasil em 2013 vem atuando na cena musical de Florianópolis ao lado de nomes importantes como Felipe Coelho, Luiz Gustavo Zago além de produzir seu próprio trabalho autoral, o Coletivo T.AE.

 

CANTO – PRÁTICA VOCAL ALIADA À TECNICA ALEXANDER

24/11, quinta-feira | 17 às 20 horas e

26/11, sábado | 17 às 20 horas

 

A Técnica Alexander é um método de reeducação psicofísica que nos permite um melhor uso de nós mesmos, tornando‐se uma poderosa ferramenta para a melhoria da nossa qualidade de vida e para o aprimoramento artístico. Através da observação do funcionamento integrado entre corpo e pensamento, nos liberta de hábitos que dificultam nosso desenvolvimento e performance. Vem sendo ensinada, ininterruptamente, há mais de cento e vinte anos. Seu alcance está além do “alívio de tensões” ou da “reeducação corporal”, pode‐se dizer que a Técnica Alexander está a serviço do autoconhecimento e desenvolvimento do ser humano de uma maneira integrada. Consta como disciplina dos cursos de música, teatro e dança de importantes

universidades como Julliard – NY; Royal Academy of Music – Londres; Concervatoire de

Paris; Guildhall School of Music and Drama – Londres. Um bom uso de si implica em saber usar conscientemente o próprio corpo e seus mecanismos de maneira que seja possível evitar tensões desnecessárias que prejudicam e interferem com o nosso desempenho. Nas aulas, aprende‐se a entender e a praticar o canto com maior eficiência, criando a possibilidade de reconhecer os padrões de tensão e esforço desnecessários, podendo assim evitá‐los. Assim, com a percepção das reações habituais, torna‐se possível escolher e promover mudanças que se refletem nas nossas mais diferentes atividades, trazendo eficiência e facilidade na execução das mesmas, auxiliando na prevenção de problemas posturais, dores musculares, dificuldades respiratórias e problemas articulares; promovendo maior clareza mental e melhor aproveitamento de nossas capacidades e diminuindo o nervosismo excessivo antes de apresentações.

 

Izabel Padovani é cantora e professora da Técnica Alexander, formada em 2005 pelo The Alexander Technique Teacher Trainning Centre em Viena. É também graduada em Licenciatura em Música pela Universidade Federal de São Carlos, Pós-graduanda pela Unicamp e diretora assistente da escola de formação de professores Centro de Estudos da Técnica Alexander em São Paulo. Tem ministrado cursos de Técnica Alexander para músicos e cantores, em importantes eventos como a Oficina de Música de Curitiba, os Festivais de Música Itajaí, Tatuí, Ouro Preto, Semana da Canção de São Luís do Paraitinga, e oficinas em espaços culturais como a Casa do Brasil na Alemanha e Universidades como Unicamp, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Nacional de Cuyo na Argentina, Escola Canto do Brasil – SP, etc.

 

 

PRÁTICA DE CONJUNTO E ARRANJO

 

24/11, quinta-feira | 17 às 20 horas e

26/11, sábado | 17 às 20 horas

 

Visa trabalhar com os alunos a estruturação de um tema, distribuição dos instrumentos e suas funções, escolha dos timbres, levadas de baixo, bateria e violão, uso de convenções e escolha dos grooves. Direcionado a estudantes de música, instrumentistas e cantores em geral, iniciantes ou avançados.

 

Ronaldo Saggiorato é baixista e professor de baixo elétrico e violão. Tem ministrado cursos e oficinas sobre baixo e ritmos brasileiros em eventos como a Oficina de Música de Curitiba e Cascavel, Ouro Preto, Tatui, etc. Participou de projetos, gravações e teve composições gravadas por nomes como Renato Borguetti, Vitor Ramil, Alegre Corrêa, Guinha Ramires, Mohamed Mounir, Sandra Pires, Elias Meiri, Timna Brauer, Wolfgang Multhspiel, Fernando Paiva, Pedro Tagliani, Marcio Tubino, Izabel Padovani, entre outros.

 

Como participar

Programação artística:

  • Participação gratuita.
  • Para os dias 23, 24 e 25/11, os convites serão entregues a partir das 19 horas do dia do show, com capacidade máxima de 130 lugares por dia. Para o concerto de encerramento com a Orquestra Sanfônica de Pato Branco, não há necessidade de retirar convites com antecedência, pois o espaço é amplo e comporta grande público.

 

Programação pedagógica:

 

Concertos didáticos:

  • Para agendamento de grupos escolares, entrar em contato através do telefone 3576-1300.

Almoços musicais:

  • As refeições seguem os valores praticados pelo restaurante terceirizado do Sesc.

Mais informações: 45 3576-1300